Dinâmicas de Grupo OnLine

Uma dinâmica para cada finalidade

Dinâmicas de Grupo OnLine
Dinâmicas de Grupo Online

Formador

com.br

CONSULTOR EM DESTAQUE

Gisela Kassoy

Realiza seminários e palestras sobre criatividade, inovação e adoção de mudanças. Aplica dinâmicas em eventos e facilita grupos de geração de ideias.

Mais informações...

Assertividade na Comunicação Empresarial

Publicado em: 29/09/2006
Escrito por:
Luiz Roberto Bodstein
LRB Consult Consultoria Organizacional
www.lrbconsult.cjb.net/

A prática da assertividade rotineira é um dos grandes benefícios que uma empresa pode instituir. Ela possibilita economia de tempo, valorização das pessoas, objetividade, produtividade e motivação no trabalho, além de produzir satisfação junto ao cliente externo em função da qualidade dos contatos com a organização. Isso se obtém com funcionários felizes, que adotam posicionamentos diretos, firmes e transparentes incorporados à própria cultura da empresa.

Poderíamos afirmar, sem muita margem de erro, que o uso incipiente da assertividade é o grande mal que impede o entendimento adequado entre as pessoas, promove mal-entendidos que afetam as relações e presta um enorme desserviço às empresas com geração de prejuízos de toda ordem, decorrentes de falhas graves na comunicação.

O problema já começa pela dificuldade das pessoas em entender o que caracteriza uma postura assertiva. Em segundo lugar, vem a de acreditar que ela realmente é decisiva para mudar o rumo das coisas. Por último a mais difícil: adotá-la como caminho e colocá-la em prática.

Para nivelar o entendimento, poderíamos dizer que uma pessoa assertiva é aquela que, nos seus contatos com os outros, apresenta o seguinte perfil:

* Expressa seus sentimentos com espontaneidade, naturalidade e calma;
* Adota sempre uma posição clara e transparente, sem disfarces ou vias indiretas;
* Diz sim ou não como decorrência de análise imparcial (não tendenciosa);
* É firme, quando necessário, sem ferir ninguém;
* Sabe ser flexível, sem abandonar seu espaço vital nem invadir o de outrem.

O uso da assertividade pode ser um fator determinante para a diferenciação entre uma posição de "chefia" e o exercício da efetiva liderança. Isto porque os contatos com uma pessoa assertiva não deixam dúvidas quanto às suas intenções, seus motivos e à forma pela qual age ou busca seus objetivos, disseminando confiança e trazendo segurança aos demais com os quais convive.

Isso naturalmente faz com que estas pessoas queiram se aproximar dela, ou procurem ouví-la sempre que precisarem adquirir certeza sobre qualquer assunto ou tomar uma decisão para o qual não se sintam seguras.

Sempre que a postura assertiva for característica de um membro da equipe, ao invés de recair sobre o líder formalmente constituído, acontecerá um desvio natural da ascendência deste último para o primeiro, ou seja: quem acaba liderando efetivamente é o membro da equipe que detém a confiança do grupo, e não quem, na escala da hierarquia da organização, detém o "poder".

Isto poderia ser um foco de conflito, não fosse o próprio perfil do líder assertivo, que lhe proporciona maturidade no uso de sua ascensão sobre o grupo, e lhe garante suficiente habilidade para neutralizar uma "dissidência" que só traria prejuízos para ambas as facções resultantes. Esse líder natural saberá como, sem esvaziar a chefia formal, direcionar adequadamente as ações da equipe e canalizá-las para a otimização do resultado coletivo, com conseqüente maximização de benefícios para a instituição.

Isto porque sua assertividade impede que atue de forma não transparente ou desleal, ou de uma maneira que o coloque em rota de colisão com a autoridade formal da organização para a qual trabalha. Quando discorda de posturas pessoais ou da política vigente, o líder assertivo normalmente deixa nítida a sua opinião, e consegue fazê-lo sem passar a impressão de que poderá consistir-se em ameaça para as pessoas ou para a concretização das ações das quais discorda. E sempre que a discordância ultrapassar os limites que possa admitir, como cumprir algo que atropele seus valores e princípios, ele certamente irá expor a situação de forma inequívoca e serena, e pedirá afastamento do cenário de conflito, mas é pouco provável que se submeta sem colocar sua posição. Essa serenidade e transparência geralmente são os componentes que contribuem para que seja compreendido e respeitado, mesmo quando discorda, e lhe garantam o espaço de volta quando tudo é superado, restabelecendo a situação de harmonia.

O ideal seria que todas as pessoas em função de liderança se preocupassem em desenvolver sua assertividade de forma a catalizar efetivamente as energias de sua equipe, sem necessidade de uma ?escala? em algum membro da equipe que tenha mais ascensão sobre os demais. Bastaria que no exercício de sua função adotasse como regra:

* Trabalhar com metas pré-definidas;
* Aplicar sanções mas promover estímulos continuamente;
* Ir direto ao assunto, sempre com respeito;
* Se ater aos fatos, sem atingir pessoas;
* Dirigir com descontração e avaliar com critérios claros;
* Encorajar os outros a proceder da mesma forma;
* Encontrar tempo para pensar e planejar;
* Não cultivar tensões emocionais ou físicas;
* Colaborar para que outras pessoas também as evitem;
* Criar um clima saudável, que evita doenças e absenteísmo, duas grande pragas dos ambientes pesados nas empresas;
* Estabelecer harmonia com superiores, colegas e colaboradores.

Uma vez incorporada, tal atitude não tardará a promover resultados visíveis, lembrando que o tempo necessário dependerá de todo um histórico nas relações entre ele e sua equipe. É claro que, caso sua postura anterior tiver sido o oposto da que agora está adotando, levará bem mais tempo para que a equipe se disponha a acreditar que a mudança é para valer. A persistência e a total transparência de propósitos serão, neste caso, decisivas para que a transformação obtenha credibilidade e comece a produzir efeitos.

Se você ocupa uma posição de liderança e pretende começar da maneira certa, experimente adotar o seguinte:

* Informe aos outros o que você quer;
* Atenda às suas próprias necessidades. Analise e peça esclarecimentos sobre solicitações que lhe sejam feitas;
* Enfrente os problemas que surgem o mais cedo possível, não os adie;
* Pratique o uso de frases simples; faça declarações breves e diretas;
* Não use preliminares nem retóricas inúteis;
* Não dê explicações excessivas;
* Não divulgue antecipadamente idéias ainda não conclusivas;
* Não faça suposições: busque sustentação em fatos e dados.

Desnecessário dizer que a prática constante de tal postura acaba gerando um padrão que se dissemina por toda a instituição, e acaba por formar as bases de uma nova cultura.

Por último, para que possa, daqui a mais uns tempos, mensurar os resultados da mudança, registre a data em que começou a utilizar as novas regras, parta da premissa de que a persistência inevitavelmente promoverá a confiança das pessoas, tenha a paciência como uma aliada a mais da sua assertividade, e boa sorte!

Cadastre-se   |    Indicar o site   |    Fale Conosco